8 de mar de 2015

Última Elegia


(...)

Para onde seguirão os mortos de amor,
os silenciosos que o inverno expulsou da haste
e no oceano se perderam, em tamanha navegação?

Para onde seguirão, de bruma vendados,
esses, os amantes da noite, calados
sob o teto de cipreste
e a colcha de tépido azul?
Lágrimas de mármore choram.
Flores de mármore respiram.

As palavras,
deixaram para os que são da terra
e nela permanecem, enraizados,
que eles, os mortos, se comunicam
pelas nuvens, como os raios.

É grande o mundo. Contudo ficastes
ao relento do vosso amor desencadeado.

Nenhuma varanda para a vossa imaginária serenata.
Olhai as dunas,
que seriam vosso travesseiro,
as conchas,
remetendo ao mar vosso recado inviolado.
Olhai as grutas, as quintas, as fontes,
os jardins, intocados e eternos,
as estradas só povoadas de estrelas!

Hoje o girassol, relógio sonolento,
marca as horas do nunca despertar
e a chegada das andorinhas,
pesadas de azul e primavera.

Enquanto a chuva molha vossos sonhos,
eu contemplo vossa face definitiva
e balanço a rede
na praia infinita onde repousais.


("Elegias", Yone Rodrigues) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Uive à vontade...

Ocorreu um erro neste gadget