28 de jan de 2011

Alumbramento


Eu vi os céus! Eu vi os céus!
Oh, essa angélica brancura
Sem tristes pejos e sem véus!

Nem uma nuvem de amargura
Vem a alma desassossegar.
E sinto-a bela... e sinto-a pura...

Eu vi nevar! Eu vi nevar!
Oh, cristalizações da bruma
A amortalhar, a cintilar!

Eu vi o mar! Lírios de espuma
Vinham desabrochar à flor
Da água que o vento desapruma...

Eu vi a estrela do pastor...
Vi a licorne alvinitente!
Vi... vi o rastro do Senhor!...

E vi a Via-Láctea ardente...
Vi comunhões... capelas... véus...
Súbito... alucinadamente...

Vi carros triunfais... troféus...
Pérolas grandes como a lua...
Eu vi os céus! Eu vi os céus!

- Eu vi-a nua... toda nua!


(Manuel Bandeira, "Meus Poemas Preferidos")

19 de jan de 2011

Bandoleiro


me esconder
em você
é a melhor coisa a fazer
perder a identidade
e me resumir
a orgasmo teu

"olá, teu corpo, o prazer é meu."


(Cássio D. Versus)

18 de jan de 2011

Morrer


S'eu morrer
M'espera na grama
D'orizonte adiante
Poss'onde estar
Qualquer lugar
Seria um instante


(Cássio D. Versus)

17 de jan de 2011

Indulgência


Se Deus é justo
A piedade
É assunto ordinário,

Perdoar filho da puta
Me parece mais
Ser coisa do Diabo


(Cássio D. Versus)

16 de jan de 2011

tai-otoshi para a kodokan


passos lentos
escrevem
VONTADE DE CHEGAR

precisa andar
como quem já chegou

chega de chegar

depressa
é muito devagar


(Paulo Leminski)

Noite


"Boa noite."

"Boa noite."

"Durma bem."

"Vai você."


(Cássio D. Versus)

14 de jan de 2011

Meteorito


Bem que vi a estrela despencar
e não fiz nenhum pedido
mas ficou no ar o compromisso
de esperá-la novamente passar

- Para Moum -

(Cássio D. Versus)

Ocorreu um erro neste gadget