2 de mar de 2015

A Gangorra das Sombras


Resta o ópio da imanência imaculada,
(des)espero do sol seu pôr -
O tudo é lado agro de ser nada.

(Minha existência é uma gangorra
com Deus e o Diabo nas pontas,
não importa o quanto eu morra...)

Dói tanto quanto a tua minha dor secreta,
e quando juntas estão nossas feridas
parecemos sofrer menos toda a miséria,

e então, sobejo assim, como os poetas
que dizem aos mares "morrer de amor",
no entanto vivem de palavras meras.


(Cássio D. Versus)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Solte o seu zunido aê..

Ocorreu um erro neste gadget