16 de ago de 2017

E Isto é Amor?


Mandai-me Senhores, hoje
que em breves rasgos descreva
do Amor a ilustre prosápia,
e de Cupido as proezas.
Dizem que de clara escuma,
dizem que do mar nascera,
que pegam debaixo d’água
as armas que o amor carrega.

O arco talvez de pipa,
a seta talvez esteira,
despido como um maroto,
cego como uma toupeira

E isto é o Amor? É um corno.
Isto é o Cupido? Má peça.
Aconselho que não comprem
Ainda que lhe achem venda

O amor é finalmente
um embaraço de pernas,
uma união de barrigas,
um breve tremor de artérias
Uma confusão de bocas,
uma batalha de veias,
um reboliço de ancas,
quem diz outra coisa é besta.

(Gregório de Matos)
 

5 de ago de 2017

Por Meus Mil Demônios


Ódio atroz,
bárbaro,
carrasco,
desapiedado,
descativo,

Que Deus me livre
de tamanha fealdade

ou que o Diabo
sabiamente administre

tal decoroso

sentimento alternativo.


(Cássio D. Versus)

2 de jun de 2017

Além do Comércio


né a alma
que negociamos
por companhia?

né a alma
que faz/desfaz
prosa e poesia?

Diabo, meu caro,
onde compra-se uma?
Quero vendê-la em seguida.


(Cássio D. Versus)

31 de mai de 2017

Estagnado


Falta uma pedra
nesse pensamento,

muito doa o vento
para poucas folhas,

mas o que é pouco
se perde,
adentro, divaga.

Tudo volta,
mas nada se recupera.

E o que mata
é ficar na janela,
mareado à espera.


(Cássio D. Versus)

18 de mar de 2015

A Saída Morreu


a saída morreu
e esqueceu
de me levar

só há entradas
nessa estrada
que é existir

possível somente vir


(Cássio D. Versus)

Luz Azul


O anjo ri em seu interno
céu é sonho de consumo

e que humano é todo grumo
coisa de quem vive a ser inferno


(Cássio D. Versus)

Espelho & Sombra


tenho delinqüido
por uns bairros que morei,
em meus sonhos,
sentidíssimos tormentos
agora afloram
um tal vazio e tão ex-acolhimento.


(Cássio D. Versus)

Lacustre (II)


uma trovoada
ataca

e tanto faz
um feito vil
de avenida
corrompida
e larga

de mente
deprimida
e vagarosa

espero que
algum lugar
- qualquer lugar -
esteja a deprimir-se
de tanta falta
que faço a ele...


(Cássio D. Versus)

Cáfila dos Pensamentos


poesias encarnadas
e o viciante veneno
que é doce,
- amargo ainda fosse -

textura ímpar, infernal
e a febre empolgante
que é obliterada
- marginal emboscada -

passaporte corrupto
e a beirada magra
que é rude,
- se doer é juventude -

perdição umedecida
por lucidez impostora
que é nobre
- melhor só a morte -


(Cássio D. Versus)

(Des)esperando


enterrado
sufocado
castigado
condensado
premido
fatigado
depresso

e conciso

como amar a um assim ser

sendo tu então encantamento
real e esplendente
co'a tua renovadora paixão?

Acreditando piamente
em um desastre sem precendentes
a esbarrocar-se pelo chão

um eu amado e não questionado
sobre possuir mente desatinada
e no peito um ultrajado coração


(Cássio D. Versus)

Segredos


não há nada
acima das nuvens
do céu
que não se encontre
abaixo dos grãos
da terra


(Cássio D. Versus)

prende o céu numa redoma


prende o céu numa redoma
de vidro não batizada
potestade
alvedrio em coma
misantropia iluminada

me encontra uma vida passada
tudo o que perdi parece meu
desejos velhos minha pousada
aos meus pés quem me venceu

vou assim pra todo lado
com muita fé no sentir e vejo
o meu marasmo virar prado
a cada contato a cada ensejo

e mesmo assim há incompletude
mais faleço que renasço
sonho agora o que não pude
vivo a ser tempo sem espaço


(Cássio D. Versus)

Ocorreu um erro neste gadget