13 de fev de 2013

Alucinação


No baile, esbelta e branca, o seu olhar nevoento
Fitou-me; e como à pluma arrasta a ventania,
Insano amor, paixão de morte, num momento,
Minha alma arremessou num inferno de agonia...

Falei-lhe, foi delírio e clamor de lamento;
Quis vê-la em seu palácio, e a Esfinge altiva e fria,
Com a sombra de um sorriso e um vago gesto lento,
“O seu palácio, diz, somente a morte o abria.”

Sigo-a perdido e louco, em seu jardim me oculto,
Vejo-a entrar no castelo e sumir-se o seu vulto;
Tento alcançá-la, corro; acho aberta uma porta,

Entro, a sala é mortuária, em torno o crepe esvoaça.
– “Onde a Senhora? – Indago a um fâmulo que passa.
– “Repousa em terra santa. Há dous dias que é morta”...


(Victor Silva)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Uive à vontade...

Ocorreu um erro neste gadget