21 de mai de 2013

No Trem de Ferro

















Vinha sentado gravemente, mudo,
D'olhos baixos, obeso e venerando,

Mãos cruzadas no ventre, ruminando
Velhas rezas ou santo e duro estudo.

Ergue tímido o olhar, triste; contudo,
É paternal e bom; de quando em quando
Ao céu o volve, ao céu que vai passando
Pelas vidraças, empoeirado. Tudo

Nele respira a fé e cheira a igreja.
Por todos os seus poros Deus poreja.
Do seu breviário agora passa as folhas.

Pio varão! para este já começa
O reino do Senhor!... mas sai à pressa
E cai-lhe da batina — um saca-rolhas!



(Lúcio de Mendonça)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Uive à vontade...

Ocorreu um erro neste gadget